segunda-feira, 24 de maio de 2010

A vida na Polônia

Queridos amigos e familiares, em especial o vô Mario e a vó Eden,

Penso que possam estar curiosos sobre como vai a vida aqui na Polônia. Com certeza está corrida, mas nesta segunda-feira consegui um tempo para mandar notícias. Nos primeiros 10 dias, entre 12 de Abril e 21 de Abril, meus pais e o André estiveram aqui e passeamos nas montanhas ainda nevadas da Polônia (lembrem-se que já éra primavera). Pudemos apreciar um vinho quente e comer carne assada na brasa.


Fomos de bondinho, lá conhecido como ferrovia de linha, até o topo da montanha "kasprowy wierch", que fica exatamente na fronteira com a república tcheca. Haviam muitas pessoas esquiando no local.


No outro dia caminhamos num vale chamado "dolina kościeliska". Muito bonito mesmo, pequenas flores cresciam nas laterais e passamos por um caminho com varias pontezinhas de pedra de aparência medieval.



Depois disso meus pais e o André voltaram para o Brasil e eu passei a morar em Wrocław, na provícia da Baixa Silésia, na Polônia. Minhas principais atividades diárias passaram a ser enviar curriculos para empresas na procura de um emprego, traduzir meu livro de alemão para inglês, escrever artigos para a revista Toolbox, fazer trabalhos free lancer de desenvolvimento de software, lêr notícias sobre trens, terminar meu relatório de iniciação científica, entre outras coisas. Alias, apesar de estar formalmente desempregado, posso dizer que estou bastante atarefado!

Eu moro a 1 quarteirão da estação ferroviária central de Wrocław, uma localização muito boa, pois algumas empresas para onde envio curriculum ficam bastante afastadas e eu prefiro viajar de trem. Alias, muitos devem não saber, pois é um gosto novo, mas acho que desde que eu morei na Alemanha em 2007 que eu passei a gostar de trens. Eu viajava diariamente de trem na Alemanha para ir no meu estágio e adquiri gosto por esse meio de transporte. Passei em quase todas linhas de trem que temos em São Paulo, andei no Expresso Turístico para Jundiaí, já viajei para Guainases, Capão Redondo, USP Leste e Osasco de trem. Pena que são tão lotados e são tão poucas linhas, indo a tão poucos locais no Brasil. Aqui na Polônia há trens para todos os lados. Verdade que apenas uma rota, Katowice - Varsória, é rápida, andando a uns 150 km/h e vencendo o trajeto de 300km em 2 horas e meia (o trem anda lento na região metropolitana da Alta Silésia), e que nas linhas secundárias muitas estações estão mal-localizadas e precisariam ser movidas para locais mais centrais, mas mesmo assim o serviço ferroviário na Polônia é bastante razoável.

Também estou fazendo um curso de Polonês, um idioma particularmente difícil. Acho que meu progresso até que é bastante bom comparado com meu empenho, mas a irregularidade do idioma atrapalha. Vou dar um gostinho do idioma para vocês:

Em português: Como foi o seu dia?
Em polonês: Jak był twoj dzień?
É para ler assim: Iak bêu tvôi djiéni (Curioso que esse "dji" é exatamente como falamos "di" em São Paulo)

Acho que vale a pena comentar um pouco sobre como tem sido o clima na Polônia. Nas primeiras semanas após meus pais irem embora o clima estava muito bom, ensolarado e razoavelmente quente. Digo, entre 25 graus de dia e 15 graus a noite, sendo possível até abandonar a ciroula, o cachecol e o casaco pesado, necessitando apenas de uma blusa e um gorro. Mas no início de maio o tempo deu uma esfriada pesada e choveu bastante. Não chuva pesada como no Brasil, mas insistente. A temperatura caiu para algo como 15 graus de dia e 5 de noite. Me recusei a voltar a usar a ciroula, mas o cachecol e o casaco pesado voltaram a ativa. No momento está melhorando de novo, entre 20 graus de dia e 10 a noite, como no inverno mais frio em São Paulo, e olha que o verão começa dentro de 1 mês!

Agora indo para os assuntos espirituais, aqui estou participando da Igreja Reformada Evangélica. É uma igreja bastante pequena, o culto se dá numa sala de aulas de uma escola cristã, a igreja não tem sede própria em Wrocław pelo menos. São aproximadamente 30 pessoas, incluindo 3 pastores, com destaque para o pastor Marek, de quem fiquei bastante amigo. A doutrina é quase igual a presbiteriana. A foto abaixo é apenas para ilustrar, eu não estou nela, e pode ser uma curiosidade para quem quer ver como os poloneses se parecem. Um ponto que particularmente me agrada é que na Santa Ceia é utilizado um pão grande de verdade, que repartimos com a mão, como eu imagina que Jesus teria feito. Acho que deve ser obvio que não comprendo grande parcela do culto, mas sou paciente e com a ajuda das outras pessoas e do dicionário dá para entender alguma coisa.


Para encerrar, tivemos algumas inundações na Polônia entre os dias 20 e 23 de Maio. Nada muito grave, algumas vilas foram alagadas, um bairro distânte de Wrocław, Kozanów, ficou alagado e a água também fez estrago em Cracóvia. Aqui, graça a Deus, nada nos passou. Fica aqui como curiosidade que em 1997 o prédio onde estou morando sofreu com o que eles chamaram de "A enchente do Milênio", vejam:


A seta indica o meu apartamento. Esta rua indo de baixo para cima é a minha rua, chamada de Dworcowa, literalmente rua da estação de trem.

E ainda antes de ir, gostaria lamentar pela perda do irmão Natalino, que éra uma pessoa muito especial e querida e que sempre me emocionava com sua alegria de viver e sua bondade enormes.

2 Coríntios 5

1 ¶ Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus.
2 E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu;
3 Se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus.
4 Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida.
5 Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o penhor do Espírito.
6 Por isso estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor
7 (Porque andamos por fé, e não por vista).
8 Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor.

abraços,

4 comentários:

joao silvio veloso disse...

Jak był twoj dzień?
Felipe,fico feliz com o seu progresso.
Vamos nos manter conectado.
Até mais...

jsv

Cravo rimou com a prosa disse...

Querido sobrinho: está uma delícia de ler esse relato de "viagem"...as fotos então nem se fala. Fico especialmente feliz de saber que, além de dominar as matérias técnicas científicas voce não é negligente com os assuntos espirituais. Isso fará de voce um ser humano mais completo e mais querido. voce conhece esta passagem? acho que é do Gênesis: "por que Eu sou a vinha e voces são os ramos. Quem quer que esteja comigo terá muito fruto, por que não podem fazer nada sem Mim"... abraço. Tios Luiz & Marcia.

André disse...

Muito massa o seu texto, Felipe!
Lembre-se: A enchente do milênio aconteceu em 97, portanto, já estamos em um outro novo milênio: Cuidado! hehehe
As fotos estão lindas.
Vou me lembrar pra sempre com muito carinho desta viajem que fizemos À polônia.
Se você achou a pessoa certa pra conviver, tem que investir mesmo! É dificil achar a pessoa certa...
Abraços e fique com Deus!

Thaty disse...

Felipe, fico muito feliz em ter noticias da sua vida ai na Polônia.
Que Deus o abençoe muito. Estamos sentindo sua falta aqui em São Paulo. Você e a Kasia estão sempre em nossas orações. Fique com Deus.