sexta-feira, 19 de abril de 2013

Inflação no Brasil - Comparando os preços no Brasil e no mundo

Recentemente o assunto da inflação e da bolha imobiliária tem tido um grande foco no Brasil, em especial com as piadas sobre o preço do tomate que chegou a custar R$8 o quilo. Assim sendo, achei que seria muito interessante fazer uma comparação dos preços no Brasil e na Polônia para tentar concluir se realmente há uma escalada inflacionária no Brasil.

Supermercado

Como o tomate ficou famoso, resolvi começar minha análise pelos produtos de supermercado. Na realidade eu considero os gastos com supermercado praticamente desprezíveis no orçamento da classe média. Outros gastos, como o imóvel e o transporte por carro individual (pra quem tem), são tão grandes que eclipsam completamente o supermercado. Mas, já que o tomate ficou famoso aqui vai a comparação.

Para comparar eu utilizei o delivery dos supermercados Pão de Açucar e Extra. O Pão de Açucar é bem careiro, mas onde eu morava em São Paulo tinha um do lado, então estou exposto aos produtos caros deles. Mas para não ficar uma comparação fora da realidade eu coloquei o Delivery do Extra também (site www.deliveryextra.com.br), que tem até o slogan "mais barato, mais barato, extra!", assim eu suponho que ele seja bem barateiro. No lado polonês eu coloquei o Biedronka, o supermercado mais popular. Eu compro tudo que for possível no Biedronka, pois eu acho ele fantástico. Ele une todas as coisas que busco num supermercado: é o mais barato, tem poucos produtos de cada tipo assim eu que sou indeciso não perco tempo escolhendo, é pequeno assim não preciso ficar rodopiando quilômetros e ele tem muitas unidades espalhadas por toda cidade, assim não é necessário ir até o fim do mundo fazer compras. Muito bom para mim que não tenho carro. Aqui vão os números:



Pão de Açucar Delivery Extra Delivery Biedronka Biedronka


R$ R$ R$
Tomate comum kg 6,84 5,98 4,01 6,41
Pimentão Vermelho kg 18 15,98 7,04 11,27
Batata kg 10,56 4,82 0,81 1,29
Banana Nanica kg 2,09 2,39 2,82 4,51
Maça kg 4,69 4,49 1,35 2,16
Laranja kg 3,6 1,93 2,36 3,77
Arroz kg 2,45 1,8 3,13 5
Cebola kg 5,28 4,49 1,25 2






Ovos Branco Grandes 10 ovos 3,8 4,69 2,84 4,54
Pãozinho (50g cada) kg ?? ?? 3,88 6,2
Queijo amarelo kg 20 28,7 11,14 17,82
Leite integral (3% gordura) 1L 2,45 2,26 1,8 2,88
Iogurte de morango kg 5 4,85 4,88 7,8
Macarrão kg 3,4 3,3 4,13 6,6
Farinha kg 2,41 1,69 2,39 3,82
Açucar kg 2,02 1,84 2,3 3,68
Sal kg 1,4 1,05 0,58 0,93






Geléia de morango kg ?? ?? 8,5 13,61
Chocolate ao leite kg ?? ?? 18 28,8
Chá 100 saquinhos 13,33 ?? 10,53 16,84
Cerveja (mais barata) 1L 5,08 3 1,94 3,11
Café kg 12 10 17,9 28,64
Suco de maça 1L 3,73 4 1,53 2,45
Suco de laranja 1L 3,84 2,95 2,64 4,22
Água mineral (aprox. 1,5L) 1L 1 0,79 0,8 1,28






Manteiga kg 20 20 12,5 20
Óleo 1L 3,5 3,48 4,33 6,92






Papel Higiênico 8 rolos 4,78 3,59 3,13 5
Papel Toalha 2 rolos 2,28 3,19 1,47 2,35
Sabonete 100g 0,89 0,89 2,05 3,28
Pasta de Dente Sensodyne 100g 11,66 11,45 ?? ??






Carne moída (boi ou suína, boa qualidade) kg 20 17,36 11,25 18
Peito de Frango kg 10,06 7,88 8,13 13
Lombo suíno kg 16,95 12,9 10,77 17,23
Carne bovina (Patinho) kg 17,19 14,79 16,88 27

Achei que a diferença seria até maior, pois estou acostumado com o mega careiro Pão de Açucar (41% mais caro que o Biedronka), mas usando o Extra pra comparar os preços eles ficam mais próximos, 28% mais caros em média que o Biedronka, utilizando o curso atual de 1R$=1,56zł.

Assim eu concluo que não há uma grande crise de preços de produtos de supermercado no Brasil. Está caro sim, especialmente para quem mora no centro das médias e grandes cidades e está exposto aos preços abusivos que se cobra nos supermercados centrais, mas quem se dá ao trabalho de ir até o Extra está menos pior. Eu não ia pois é muito longe da minha casa e ficar levando compras de ônibus não faz sentido.

Imóveis

Se o supermercado é desprezível no orçamento, há um outro item que definitivamente não é: o imóvel próprio. Quem quer conquistar o sonho da casa própria numa média ou grande cidade terá que trabalhar muito, suar muito e gastar tudo o que tem, aquilo que não tem e ainda fazer um mega financiamento de décadas. Eu acho que o preço dos imóveis salgou no mundo todo, não tem jeito. Não adianta, aonde há salários bons os imóveis sobem até consumir uns 50% dos salários. Imóvel hoje em dia é assim: quem tem é rei, quem não tem, dançou.

Nesse mundo de imóveis caros um tema que tem surgido de forma cada vez mais forte é a questão da bolha imobiliária nos imóveis no Brasil. Depois de subir muito o preço dos imóveis na Espanha despencou. Hoje é possível comprar um apartamento de 60m2 em Málaga por meros 60.000 euros. Uma bagatela se considerarmos que a Espanha é um país de primeiro mundo e que está mais barato que em Wrocław na Polônia.

Algo que parece indicar a possibilidade de uma bolha é a escalada nos preços dos imóveis no Brasil. O índice FipeZap diz que os imóveis no Brasil subiram em média 20% ao ano entre 2008 e 2012, uma taxa fantástica, que tornou os imóveis de longe o melhor investimento no Brasil. Para ganhar 20% ao ano na bolsa tem que suar muito e ainda ter sorte. Mas quem comprou um bom imóvel lucrou isso em patrimônio sem esquentar a cabeça.


2007 2008 2009 2010 2011 2012
Inflação - IPCA – Brasil 4,5% 5,9% 4,3% 5,9% 6,5% 5,8%
Inflação – Imóveis – São Paulo
16,9% 21,6% 24,0% 27,0% 15,8%
Inflação – Polônia 2,5% 4,2% 3,4% 2,5% 4,3% 3,7%
Inflação – Zona do Euro – Maio 1,9% 3,7% 0,0% 1,7% 2,7% 2,4%

Um dos argumentos que usam para provar a bolha imobiliária é de que os apartamentos em São Paulo já estariam custando o mesmo que em Manhattan. Eu fui procurar e não é verdade. Um apartamentozinho de 60m2 em Manhattan eu não encontrei por menos de US$700.000. Por outro lado, do outro lado do rio, de certa forma perto de Manhattan, eu achei apartamentos por 100m2 por US$190000 em New Jersey. Os preços no centro expandido de São Paulo são quase 2 vezes mais caros que em NJ, mas ainda são quase 4 vezes menores que em Manhattan. Quanto as cidades médias, por incrível que parece em Wrocław os apartamentos estão mais caros que em Piracicaba.



apto 60m apto 100m por m2 em R$
Imóveis São Paulo R$ 360.000 600.000 6.000 6.000
Imóveis Piracicaba R$ 150.000 235.294 2.353 2.353 http://www.miguelimoveis.com.br/
Imóveis New Jersey US$
190.000 1.900 3.800 http://homes.yahoo.com/
Imóveis Manhattan US$ 700.000
11.667 23.333 http://homes.yahoo.com/search/New_York/Manhattan
Imóveis Wrocław 350.000 600.000 6.000 3.750

Conclusão

Eu concluo que não há uma escalada tão preocupante de preços de supermercado no Brasil, creio que talvez apenas o real esteja super-valorizado em uns 25%, coisa que já está sendo equilibrada e atrapalha a comparação.

No caso dos imóveis os preços estão realmente muito caros, mas por outro lado acho improvável que caiam, talvez apenas o ritmo de subida caia, pois se continuarem subindo em 20% ao ano, logo logo chegam em metade do preço de Manhattan.

2 comentários:

XFX disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
agcc disse...

Oi. Cara, eu não sei qual é a sua história, mas esses preços aí estão bem longe da realidade brasileira. Obviamente os preços lá no Brasil não são bons, mas a sua tabela está bem errada. Que preço para pimentão vermelho é esse? Nem no supermercado Zona Sul hoje você encontra isso. No site do Extra, eu achei o valor de R$ 8,90 para Rio e regiões e R$ 9,94 para São Paulo e proximidades. O seu valor é bem mais alto. Nunca vi um quilo de manteiga custar tanto. Vinte reais? Fora os preços daí, que, a meu ver, merecem uma pesquisa mais apurada nos sites dos supermercados. Abraços!